Ver Cesto de Compras

Nº Artigos: 0

Cesto Compras Cesto Compras

Total: 0€

Finalizar Compra Finalizar Compra

 

Maria João Cantinho

capa do livro

Livro: O traço do Anjo
Autora: Maria João Cantinho
Apresentação da Obra: José Fanha

Sobre a Autora

Livro

Maria João Cantinho

Maria João Cantinho nasceu em 1963 e viveu em Angola toda a sua infância. Aos dez anos regressou a Portugal, estudou e licenciou-se em Filosofia. Realizou mestrado em Filosofia, com a tese O Anjo Melancólico, que seria publicado em 2003. Colaborou na revista Livros, na revistas on-line Crítica - Central de Cultura e é membro do conselho editorial da Storm Magazine no jornal de poesia Hablar/Falar de Poesia, pela parte da Casa Fernando Pessoa. Integra o conselho editorial da revista Agulha, onde colabora regularmente. Tem publicações diversas, no âmbito de prémios literários e menções honrosas, nas modalidades de conto e poesia. Jornalista e escritora, poeta, tem vindo a colaborar em diversas publicações e revistas on-line, tanto na área do ensaio, poesia como ficção. Neste momento encontra-se a fazer o doutoramento em filosofia.

Sinopse

Para Vitor A aparição preparava-se, a qual me iria libertar (…) Descendo de muito alto (…) um anjo envolto em roupas de um violeta azulado ornamentadas por cordões dourados desce lentamente na penumbra com as suas grandes asas brancas, brilhantes como seda, enquanto o seu braço elevado estendia horizontalmente a espada. «Eis um anjo, pensava eu, ele voava ao meu encontro durante todo o dia e eu, incrédulo, não o sabia. Agora ele vai falar-me». E eu baixava os olhos, mas quando os levantava, o anjo ainda ali estava (…) mas já não era um anjo vivo, era simplesmente uma figura de proa em madeira pintada, como aquelas que vemos suspensas ao fundo das tabernas. Nada mais. O pomo da espada estava disposto de maneira a poder servir de candelabro (…) eu tinha tirado a lâmpada eléctrica, mas não queria continuar no escuro, tinha ainda uma candeia, subi a uma cadeira, fixei a candeia no pomo da espada, alumiei-a e permaneci sentado até a uma hora muito avançada na noite sob a frágil luz do anjo... kafka, Journal, ed. Grasset, Paris, 1954, pp. 371, 372.